Transe Mediúnico


Qual a diferença que existe nestes dois estados?

Consciência alterada e Alterada consciência

         Certamente, as primeiras informações a respeito dos estados alterados de consciência provêm da Vedanta, a escritura religiosa mais antiga do mundo, na qual estão insertos os ensinamentos filosóficos da tradição hindu.
         Mais tarde, entre outros, o pensador russo Gurdjieff, respeitado mestre espiritual, examinou a questão, propondo as alterações de níveis de consciência mediante exercícios e induções que ora chamaríamos transpessoais.


DIFERENTES ESTADOS DE CONSCIÊNCIA
(cartografia inspirada no sistema de Psicologia e Espiritismo)

1.    Consciência de sono: há uma total ausência de idealismo e as atividades do ser estão reduzidas, praticamente aos automatismos de natureza fisiológica: manifestações instintivas, respiração, assimilação sem um real conhecimento das ocorrências. O indivíduo dorme, come, procria, ausente dos procedimentos da lógica, da razão. Poderíamos denominar este como um estado de sonos em sonhos.

2.    Consciência em despertamento ou com sonhos: surgem as primeiras, de expressões de idealismo, de interesse, de luta, para aquisição de valores imediatos, considerados indispensáveis aa sobrevivência no labor cotidiano.Primeiros sinais de beleza, da arte, do conhecimento e da fé.Os sonhos se manifestam, desvelando impressões do inconsciente e dos contatos espirituais, embora nebulosos, favorecendo a ativação de mais amplas recepções.

3.    Consciência desperta ou de identificação:  o homem começa a observar a si mesmo e ao seu próximo, ampliando o grau de relacionamento social e emocional, aspirando pelos ideais de engrandecimento humano, lutando com lucidez pela ampliação dos valores éticos, descobrindo metas além do imediatismo automatista e avançando com entusiasmo na defesa dos seus valores de enobrecimento. Essa identificação possibilita uma revolução da consciência, a fim de que possa voltar-se para a interiorização, para a percepção subjetiva da realidade.

4.    Consciência de si mesmo:  predomínio maior em relação às expressões do mundo exterior.As funções, por automáticas que são, instintivas, motoras, sexuais, do intelecto e da emoção, devem ser canalizadas e direcionadas para a aquisição da harmonia que deve predominar no soma, ensejando a expansão paranormal, o intercâmbio com as forças vivas do universo além da dimensão material. Nessa fase abstraindo-se do mundo exterior, a consciência sintoniza com as inteligências desencarnadas, propiciando as comunicações lúcidas – em estado sonambúlico, de inconsciência ou não – nas quais a identificação dos Espíritos se faz com o máximo de resultados positivos possíveis. Nesse nível de consciência, a moralização do homem torna-o alvo dos Espíritos nobres que o elegem para ministérios relevantes.

5.    Consciência objetiva ou cósmica:  é um nível de consciência que exige treinamento cuidadoso, sacrifício pessoal, abnegação extremada, critério de objetivo, morte na vida... (estado de consciência crística).

Os fenômenos mediúnicos, no entanto, podem ocorrer em qualquer nível de consciência, em particular quando se tratam de manifestações obsessivas, que irrompem em crises de violência ou de depressão, face às dívidas morais existentes entre os litigantes, ora em processo de reajustamento espiritual.
O exercício da mediunidade saudável, todavia, manifesta-se em harmonia com o nível de consciência de si mesmo, expressando a valiosa conquista do Espírito encarnado no seu processo de evolução.

CONCEITO DE TRANSE:

  1. Dicionário:
Estado hipnótico; momento aflitivo; ocasião perigosa.

  1. Espiritismo de “A” a “Z”:
Ø  Estado de dissociação ou alteração da consciência; estado especial entre a vigília e o sono, que de alguma sorte abre as portas da subconsciência; (livro: Além do Inconsciente - Jaime Cervino).
Ø  É um estado de baixa tensão psíquica; (livro: Além do Inconsciente - Jaime Cervino).
Ø  Pode comparar-se à imersão no sono profundo, com breves momentos de vigília consciente (livro: No Limiar do Etéreo – Arthur Findlay).

Ø  No estado de transe a natureza do médium é variadíssima e esse estado vai da insensibilidade absoluta a mais completa normalidade (O Espiritismo a luz dos Fatos -Carlos Imbassahy).

Ø  O estado de transe não significa a supressão da consciência, mas a interiorização da consciência; isso porque a consciência no estado normal é acanhada; no desprendimento pelo transe é vasta e profunda (No Invisível – Leon Denis).

GRAUS DO TRANSE MEDIÚNICO

1.           SUPERFICIAL: não existe amnésia. O médium se recorda de todos os acontecimentos e colabora diretamente no entendimento e na transmissão do Espírito comunicante (o principiante costuma ter dúvidas). São os transes conhecidos por conscientes, mediunidade comum em todos os médiuns.

2.           PROFUNDO:  raramente as recordações dos acontecimentos do transe profundo chegam à consciência do médium. Com a prática é possível não ocorrer amnésia total, mesmo sendo profundo o médium não perde totalmente a ligação com a consciência “algo não se extingue e permanece vigilante é como um sistema secundário” (área vigil). São os transes chamados de Inconscientes, raríssimos atualmente na mediunidade.

3.           PARCIAIS:  representam gradações do estado de rebaixamento psíquico. São os transes chamados de semiconscientes. Conduzem o médium ou para o estado de memória desperta em relação a alguns acontecimentos ou para o de lembrança apagada para outros, (às vezes o médium recorda a mensagem do Espírito comunicante nos momentos imediatos à comunicação, esquecendo-a por completo com o passar do tempo).


ETAPAS DO TRANSE


1ª ETAPA: INDUÇÃO POR AÇÕES AO NÍVEL DO CORTEX CEREBRAL E DOS LOBOS FRONTAIS (pineal /epífise/centros de força)

Nessa fase tudo concorre tal como:
Ambiente físico;
Clima psicológico propício;
Emanações fluídicas (prece = vontade-apelo)

Há outras formas de indução ao transe mediúnico, nos cultos afro-brasileiros e na Umbanda prevalecem estímulos mais fortes “os atabaques, os pontos cantados, as palmas” são as técnicas freqüentemente adotadas. A técnica Kardequiana vale-se de recursos verbais e psicológicos. Dirige-se aos lobos frontais (passes).


2ª ETAPA; também ocorre por INDUÇÃO POR AÇÕES AO NÍVEL DO CORTEX CEREBRAL E DOS LOBOS FRONTAIS.

Nessa fase há determinadas ocorrências tais como:

2.1 CONCENTRAÇÃO = o médium fixa sua atenção numa idéia ou imagem mental transmitida pelo Espírito comunicante. A concentração conduz ao rebaixamento da tensão psíquica;

2.2 ACESSOS AOS ARQUIVOS ESPIRITUAIS;

2.3 MANIFESTAÇÃO MEDIÚNICA = Nesse ponto o médium já passou por todo o processo anteriormente citado. A manifestação ainda pode ser:

Ø  Consciente = o médium age como intérprete do Espírito comunicante;
Ø  Semiconsciente = o médium interpreta as idéias do Espírito, mas também permite que expressões ou comportamentos do comunicante sejam demonstradas;
Ø  Inconscientes = o médium fica a mercê do Espírito comunicante, assistindo-o ou seguindo a sua comunicação à distância. A interferência no teor da mensagem é mínima.

 Luzia Nascimento em, 14/08/2012
   
FONTES PESQUISADAS:
 O Livro dos Médiuns;
O Espiritismo de “A" a “Z";
Dicionário da Língua Portuguesa;
Médiuns e Mediunidades, Vianna de Carvalho;
Apostila do ESTEM - Aprofundamento


Nenhum comentário:

Postar um comentário