Pedra e Pastor


Ele era das terras perfumadas de rosas de Betsaida, próxima ao lago de Genesaré, na desembocadura do rio Jordão, mas se estabelecera em Cafarnaum, onde proliferavam os pequenos vinhedos e se fazia a pesca abundante. Casado, tinha filhos. Em siro-caldeu, chamavam-no Cefas; em grego, apelidavam-no Petros, significando pedra, rocha.
Quando Jesus utilizaria uma ou outra dessas denominações, ele haveria de se indagar, mais de uma vez: "Será que o Mestre me deseja dizer que sou uma fortaleza de ânimo e fé, ou será por causa da minha cabeça dura?"
Era um homem correto, simples, por vezes quase ingênuo.
Nele, se evidenciam três fases: antes de conhecer Jesus, o período que com Ele conviveu, e os anos após a morte do Divino Amigo.
Pedro bar Jonas. Pedro, filho de Jonas. Era pescador e um homem céptico, sem sutilezas de comportamento. As suas eram as preocupações básicas com sua família, sua vida. Com André, seu irmão, mantinha uma sociedade pesqueira com a família Zebedeu, pai e filhos: Tiago e João.
Seus deveres se restringiam à faina da pesca, ao trabalho com as redes, à venda dos frutos do mar.
Cumpria suas restritas obrigações na Sinagoga, sem emoção. Amava o povo sofrido e tão enganado. Num misto de curiosidade e descrença, ele foi ouvir a pregação de Jesus.
Nunca mais foi o mesmo. "...desejava saber de onde e desde quando O conhecia e O amava..."(4)
"Simão fez-se taciturno, como quem aguarda, embora permanecesse gentil e cumpridor dos deveres.
Foi nesse estado de espírito que, em formosa manhã, enquanto organizava as redes com o irmão, foi surpreendido pela presença do Amigo, que se lhes acercou e, com uma voz inesquecível, convidou-os:
‘Segui-me, e eu vos farei pescadores de homens.’" (4)
Pedro deixou as redes, a pesca e O seguiu. Voltaria às lides, nos intervalos das jornadas de apostolado, para atender a família ou às necessidades do grupo. Iniciava-se nova fase de sua vida.
Os desencantos da vida já principiavam a nevar os seus cabelos. Ele deveria ter em torno de 34 a 40 anos. Homem rude e habituado à praticidade de tudo, haveria de indagar a Jesus, em dado momento: "Senhor, deixamos tudo para seguir-Te. Que lucraremos com isto?"
Ávido de conhecimento, perguntava sempre. Possivelmente, foi escolhido pelo grupo para ser seu porta voz, quiçá pela intimidade maior que gozava junto a Jesus, pois é sempre a ele, Tiago e João que Jesus confidencia questões muito próprias. Algumas que somente após sua morte seriam reveladas, tais como o episódio no Tabor e todo o drama da vigília, antes da sua prisão, no Jardim das Oliveiras.
Os anos em que esteve com Jesus trabalharam ainda mais sua fibra moral. Conheceu o amigo de perto e com Ele privou de momentos inesquecíveis. A transfiguração do Mestre, a visita dos seres espirituais que se materializam: Elias e Moisés.
É o homem medianeiro que, em um dado momento se faz arauto dos Céus e, frágil, em outras circunstâncias se permite ser o intermediário dos inimigos da Luz.
Líder autêntico, Jesus o corrige pacientemente, utilizando os seus erros para dar preciosas lições a todos os demais.
Pedro brilhou porque aprendeu muito com seus erros. Tendo negado ao amigo por três vezes, não hesitava, nas suas pregações, em apresentar suas limitações e fraquezas aos que o ouviam.
Permitiu-se lapidar de tal forma que se tornaria referência para todos os homens do Caminho, após a hora do Gólgota.
Em Jerusalém, na Casa do Caminho, com Tiago ou em Antioquia, junto a Paulo de Tarso, seu espírito conciliador se manifestava. Começava a domar sua impetuosidade. O trabalho de Jesus era mais importante do que ele, Pedro, era o que pensava.
Sua acuidade se desenvolveu de tal forma, que chegou a escrever duas epístolas contendo grande riqueza poética e existencial. A primeira, foi escrita em Roma, possivelmente entre os anos 63 e 65. Destina-se aos cristãos espalhados pela província da Ásia. Supõe a perseguição de Nero, pois fala e dá conselhos com relação a ela.
Ele não possui, com certeza, a cultura de Paulo de Tarso. Mas exorta os cristãos a viver no espírito de caridade e a praticar as virtudes cristãs. Aconselha fiéis e pastores. É o homem prático que sabe dar em poucas palavras uma obra-prima de sabedoria e de edificação.
A segunda foi escrita, acredita-se, no ano 67 e tem o tom de um legado, um testamento. Avizinha-se sua morte, ele o pressente. É a época de muitas contestações, inclusive sobre o próprio Cristo e Pedro reafirma aos cristãos a necessidade do cultivo das virtudes, mesmo em meio à iniqüidade de tantos.
Pedro é o companheiro fiel e humilde que permanece amigo até o fim. Assim o foi, especialmente com Paulo de Tarso. Quando Pedro vai a Roma, Paulo de Tarso lhe prepara com carinho e respeito uma casinha para ele e sua família.
Mais tarde, prisioneiro na Prisão Mamertina, está outra vez junto a Paulo. E célebre é o episódio em que o soldado da guarda, à custa de tanto ouvir os dois apóstolos conversarem a respeito de Jesus, toma-se de carinho por eles e os deseja libertar.
Pedro sai na noite-madrugada e ganha a rua. Os primeiros passos são incertos, dificultosos, mas a aragem que lhe refresca o rosto, lhe acaricia a barba e os cabelos o parece refazer.
Ao despontar o dia, ele já se encontrava na Via Ápia, a caminho da liberdade. Num momento em que pára para descansar, seus olhos cansados divisam uma forte luz que vem ao seu encontro.
Ele mal consegue manter a visão fixa, no intuito de tentar adivinhar o que seja. É como se uma estrela tivesse caído do Empíreo e transitasse pela Terra. Leva as mãos à fronte, protegendo os olhos e, na medida que o intenso brilho se aproxima, Pedro sente o coração acelerar no peito envelhecido.
É o Mestre. E vem ao seu encontro. Jesus! Quanta saudade!
Contudo, Jesus passa por ele e prossegue, fazendo exatamente o caminho inverso do Apóstolo.
"Senhor, aonde vais?" – pergunta, ansioso, talvez já sabendo a resposta do Amor não amado.
"Pedro, vou a Roma, para ser sacrificado outra vez. Vou para o meu rebanho, desde que tu o abandonas."
Foi o que bastou ao Apóstolo para se dar conta de que, uma vez mais, depois de tantas lutas, utilizara as argumentações do homem prático. E retorna a Roma, para ser sacrificado. Crucificado, naquele mesmo ano de 67, de cabeça para baixo, a fim de não se igualar ao seu Mestre e Senhor.
"Foi o discípulo por excelência, - Simão Pedro: pedra e pastor -, que se levantou do engano para viver Jesus até o último instante, apascentando os cordeiros do Seu rebanho de amor..." (3)

Bibliografia:
1.CURY, Augusto. Vivendo a arte da autenticidade. In:___.O mestre da sensibilidade. 18.ed. São Paulo: Academia de Inteligência, 2000. cap. 6.
2.FRANCO, Divaldo Pereira. Fortalece os teus irmãos. In:___. Pelos caminhos de Jesus. Pelo espírito Amélia Rodrigues. Salvador:Leal, 1988. cap. 22.
3.FRANCO, Divaldo Pereira. Simão Pedro: pedra e pastor. In:___. As primícias do reino. Pelo espírito Amélia Rodrigues. Rio de Janeiro:Sabedoria, 1967.
4.FRANCO, Divaldo Pereira. Pescadores de almas. In:___. Trigo de Deus. Pelo espírito Amélia Rodrigues. Salvador:Leal, 1993. cap. 1.
05.MIRANDA, Hermínio C. Os amigos. In:___. As marcas do Cristo. Rio [de Janeiro]: FEB, 1979. vol. I, cap. 4.
06.RENAN, Ernest. Os discípulos de Jesus. In:___. Vida de Jesus. 13. ed. São Paulo: Martin Claret, 1995. cap. 9.

Fonte: Jornal Mundo Espírita 

Nenhum comentário:

Postar um comentário